aplicativo-de-transporte-chame-car

Aplicativo de transporte de Presidente Prudente foi fundado por ex-taxistas

Chame Car nasceu após taxistas notarem queda na solicitação do serviço.

Cláudio José da Silva é ex-taxista e hoje gestor de um dos principais apps do interior de São Paulo.

A Chame Car nasceu em setembro de 2018 com pretensões ambiciosas. Em matéria para o portal regional “O imparcial“, na época do lançamento do app a intenção era competir com a multinacional Uber.

O gestor do aplicativo decidiu começar nessa empreitada após notar que os pedidos de táxi estavam caindo. Foi assim que, conversando com outros colegas, decidiu migrar para a “placa branca”. “Rolou muita indignação por parte dos nossos amigos taxistas. Mas para nós foi muito positivo, tanto que hoje temos três filiais”.

Além de Presidente Prudente, as cidades de Caraguatatuba e Campo Grande já contam com o serviço da Chame Car. Futuramente, a cidade de Araçatuba também contará com o aplicativo.

Chame Car não cobra taxa dos motoristas por viagem

Segundo Cláudio, o diferencial do aplicativo é dar atenção tanto para clientes quanto para passageiros. “Você precisa oferecer preços baixos para os passageiros e um custo menor para os motoristas. Na Chame Car, o motorista não paga por corrida, mas sim uma mensalidade. Assim, se ele faz 5 mil reais em um mês, ele só precisa pagar 200 reais de mensalidade e pronto, o resto é dele”.

Em relação à divulgação, o gestor do aplicativo diz que eles investem de tudo um pouco. “Investimos em outdoor, rádio, televisão, panfletagem e parceira com evento (exposição, shows, etc), se dá para mostrar nossa marca, nós colocamos”.

Os esforços da equipe agora estão concentrados na nova filial do Mato Grosso do Sul. Cláudio conta que eles já fecharam a exposição da marca em três outdoors e realizaram a distribuição de 30 mil panfletos em Campo Grande.

O gestor considera a recepção de passageiros e motoristas perfeita. “Para uma plataforma que tem nove meses, nós crescemos bastante. Hoje temos em Prudente cerca de 150 motoristas que desistiram da Uber e estão com a gente. Já são uma média de 20 mil corridas solicitadas por mês e a expectativa é crescer ainda mais e expandir para novos locais”.

Sobre a questão da regulamentação dos aplicativos, Cláudio diz que é favorável. “Ela traz uma segurança para o cliente e para nós. Quanto mais o cliente acreditar e ter segurança, mais aumentamos o fluxo de passageiros”.

O aplicativo conta hoje com quatro funcionários para tocar um central de atendimento 24 horas. “A expectativa agora é crescer e focar na criação de novais filiais, como a de Campo Grande”.